Email:  
Senha:  
   
    Esqueci a senha!
    Cadastre-se
    :: home Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2018
  • Circular 338 - Março 2016
    Veja nesta Circular as seguintes matérias: Contribuição Sindical dos Empregados; Declaração IRPF/2016 – 2º Aviso! DEFIS - Declaração de...
    [leia mais]
  • Doações para o Fundo da Criança - Dedução do IR
    Doações para o Fundo da Criança - Dedução do IRContribuintes que estão apurando Imposto de Renda a Pagar em 2012 podem doar até 3% deste valor para Fundos...
    [leia mais]
  • Salário Mínimo - Novos Valores 2014
    O Decreto nº 8.166, de 23/12/2013 (DOU de 24/12/2013), que regulamentou a Lei nº 12.382/11 (DOU de 28/02/2011), fixou a partir de 01/01/2014 o salário-mínimo em R$ 724,00. Assim,...
    [leia mais]
  • Por que Registrar uma Marca?
    A marca é a identidade da sua empresa no mercado, sem o registro, você não possui direito algum sobre ela. A constituição da sua empresa é apenas...
    [leia mais]
  • Circular 361 - fevereiro/18 - no ar!
    Veja nesta Circular as seguintes matérias: CARNAVAL- É feriado ou não? DIMOB; DIRF 2018 (Ano-base 2017) - Prazo de Entrega até 28/02/2018; DME – Uma nova obrigação...
    [leia mais]
  • Hora certa para crescer
    Depois de se consolidar, micro e pequenas devem avaliar possibilidade de expandir a atividade. Mudanças no Simples vão acelerar os negócios A chef de cozinha Letícia...
    [leia mais]

ANTERIORES

DESTAQUES

A partir de hoje, toda nota fiscal deve detalhar impostos.

Medida entra em vigor a partir de hoje em todo o País e é válida para todos as compras feitas

A partir de hoje, todos os estabelecimentos comerciais de todo o país são obrigados a discriminar na nota fiscal ou em local visível os impostos embutidos no preço dos produtos e serviços. De acordo com a Lei nº 12.741, quando fizer uma compra, o consumidor tem de ser informado sobre o valor aproximado do total de impostos pagos. A nota deve discriminar os valores dos tributos federais, estaduais e municipais que acabam influindo na formação do preço final dos produtos e serviço destinados à venda.

Embora a lei estabeleça para hoje a data em que a exigência entra em vigor, muitos empresas alegam que falta ainda a regulamentação da lei e dizem que, por isso, não sabem como adequar seus sistemas informatizados às novas regras.

O presidente da Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas, Roque Pellizzaro Junior, foi enfático ao dizer que o setor que representa não está preparando para as mudanças. "O Ministério da Justiça tem de regulamentar a lei. Só a partir da regulamentação teremos a noção correta de como as empresas se prepararão para discriminar corretamente os impostos nas notas", disse Pellizzaro à Agência Brasil.

Segundo ele, as companhias de pequeno porte terão muita dificuldade porque as empresas que fornecem os programas de computador para elas não sabem ainda como adequar os sistemas. Pellizzaro também acredita que as entidades de defesa do consumidor não autuarão as empresas antes da regulamentação. Para ele, depois de publicada a regulamentação da lei, é possível que seja dado um prazo para que as empresas ajustem os sistemas informatizados.

Até a última sexta-feira, o Procon do Distrito Federal manifestava disposição de cumprir a lei. Ao ser consultado, um dos supervisores, que preferiu não se identificar, informou que a orientação era cumprir a lei, já que as empresas tiveram, desde dezembro, data da publicação da lei, prazo suficiente para se adequar.

À Agência Brasil, o Ministério da Justiça não informou quando a regulamentação será publicada, mas o presidente da CNDL acredita que isso ocorra nesta semana.

Pela lei, a apuração do valor dos tributos incidentes deve ser feita separadamente para cada mercadoria ou serviço, inclusive na hipótese de regimes jurídicos tributários diferenciados dos respectivos fabricantes, varejistas e prestadores de serviços, quando couber.

 

Pela lei, têm de ser informados ao consumidor os impostos sobre Operações Financeiras (IOF) e sobre Produtos Industrializados (IPI), o relativo ao Programa de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep), as contribuições para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), além dos impostos Sobre Serviços (ISS) e sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS).

Fonte: FISCOSoft On Line  -  Últimas Notícias: 10/06/2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© 1989 - 2018 ASCON - Assessoria Contábil • Todos os direitos reservados • Política de Privacidade • Desenvolvido por: Gilvan TFS / Eric Costa