Email:  
Senha:  
   
    Esqueci a senha!
    Cadastre-se
    :: home Sexta-feira, 20 de Abril de 2018
  • DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NAS TRANSAÇÕES INTERESTADUAIS..
    DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NAS TRANSAÇÕES INTERESTADUAIS COM CONSUMIDOR FINAL OU NÃO CONTRIBUINTES DIFAL - ICMS STF suspende o diferencial de alíquotas do Simples...
    [leia mais]
  • Prorrogado início de vigência do Registrador Eletrônico de Ponto
    Prorrogado o início de vigência do Registrador Eletrônico de Ponto (REP) para alguns segmentos da economia Depois de ouvir representantes de todos os setores da atividade econômica,...
    [leia mais]
  • Devedores da União serão incluídos na Serasa
    Além da parceria com a Receita Federal para combater fraudes à execução, a Procuradoria­ Geral da Fazenda Nacional (PGFN) pretende fechar um convênio com a...
    [leia mais]
  • Circular 302 - Março / 2013
      Veja nesta Circular as seguintes matérias: Declaração IRPF / 2013. Contribuição Sindical dos Empregados. DMED – Declaração de Serviços...
    [leia mais]
  • Circular 360 - janeiro/18
    Veja nesta Circular as seguintes matérias: PALESTRAS ASCON 2018 - Participe da Pesquisa de Interesse; Novos Procedimentos para os Gestores do e-Social; RAIS 2017; Contribuição...
    [leia mais]
  • Circular 344 - SET/2016
    Veja nesta Circular as seguintes matérias: Invoice. Retenção na Fonte de Tributos Federais - Dispensa para Simples Nacional e obrigatoriedade da declaração. Exija...
    [leia mais]

ANTERIORES

DESTAQUES

Aumento dos limites de enquadramento no regime tributário...

Postado em 02/01/2017 - Fonte: DCI – SP – Adaptações ASCON

Aumento dos limites de enquadramento no regime tributário entra em vigor em 2018

Aumento dos limites de enquadramento no regime tributário entra em vigor em 2018, deixando o espaço de um ano para as pequenas se prepararem; plano de expansão precisa ser considerado

São Paulo - Pequenas empresas que possuem custos altos com folha de pagamentos podem se beneficiar dos novos tetos do Simples Nacional que entram em vigor a partir de 2018. Neste ano, o regime tributário completa 10 anos de existência.


Com a aprovação da Lei Complementar 155 de 2016 (LC n°155/16) em outubro de 2016, ficou definido que o limite máximo de receita bruta anual para enquadramento no Simples subirá de R$ 3,6 milhões para R$ 4,8 milhões daqui a um ano.


CUIDADOS
Professor Mello (FGV) pontua que os empreendedores devem levar em consideração o seu plano de crescimento antes de resolver mudar de regime. Ele comenta que se uma empresa tem projetos de expansão e estima que seu faturamento pode ultrapassar R$ 4,8 milhões anuais em 2018, por exemplo, pode não ser vantajoso migrar para o Simples. Apesar disso, ele pondera que a recessão tende a se prolongar em 2017, impondo às pequenas um cenário ainda difícil e, na maioria das vezes, sem horizonte de expansão. Nós na ASCON consideramos que cálculos matemáticos de projeções das operações das empresas precisam ser considerados, para comparar qual seria o resultado entre os tributos globais no Simples Nacional e nas demais modalidades de tributação. Mesmo sendo uma estimativa, não sendo certo o resultado projetado, é importante para auxilio na escolha dos modelos tributários.


Sottovia (TMF Consultoria) alerta que outro ponto a ser considerado na avaliação das empresas é o fato de que os novos tetos do Simples ainda não foram adotados pelos estados e municípios. "Desta forma, os contribuintes que ultrapassarem o limite dessas esferas passarão a recolher o ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços] e ISS [Imposto sobe Serviços] pela regra geral. Isso pode representar uma desvantagem para os contribuintes enquadrados na última faixa do Simples Nacional", adverte.


Até os governos dos estados ou as prefeituras adotarem os novos limites, a pessoa jurídica deverá recolher os impostos competentes a cada esfera e declarar obrigações acessórias em uma guia separada da guia do Simples. O contribuinte deve ficar atento às decisões governamentais 2017, acompanhando as mudanças com relação ao regime simplificado na sua cidade ou estado.


Atualmente, estados como Acre, Amapá, Rondônia e Roraima trabalham com um sublimite de R$ 1,800 milhão, enquanto Maranhão, Pará e Tocantins, implementaram sublimites de R$ 2,520 milhões. Todos os outros estados tem o teto de R$ 3,600 milhões.


Texto Original Escrito por Paula Salati.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

© 1989 - 2018 ASCON - Assessoria Contábil • Todos os direitos reservados • Política de Privacidade • Desenvolvido por: Gilvan TFS / Eric Costa